Interview with Antonio Sandoval

Read this entry in Portuguese

Whilst in Brazil to take part in the ninth edition of the World Social Forum and to present a reflection on a development model based on the Social Doctrine of the Church at the Latin American Solidarity-based Sustainable Development Seminar, the Mexican priest, Antonio Sandoval, who is the regional coordinator of the Latin American and Caribbean Secretariat (SELACC) of the Caritas network, spoke to Caritas Brazil about building a new society and the challenges the Caritas network faces in accomplishing this mission.

CB – Many of us from Caritas have participated in organising the World Social Forum. What does this event represent for the Caritas network?

The Forum is a space for meeting organisations that have similar ideas to Caritas, who believe in changing the cruel reality we live in. Attending the WSF is a way of bearing witness and accompanying what the Church and Caritas propose doing for the poorest and the excluded; it’s a way of showing society what is being done to turn this world into a world of justice and peace through the exercise of solidarity.

The most important aspect of the World Social Forum for Caritas is that, at each edition, we learn something from religious and non-religious people and organisations who are also fighting to change this world in order to build a just society in accordance with Gospel teaching.

As well as acquiring knowledge, by attending the Forum the Caritas network also offers its experience and expertise to other social actors. Caritas has sought to empower people’s efforts and processes for building democracy, and many of these initiatives are expressed at the WSF.

CB – In preparing the WSF, Caritas Latin America and the Caribbean promoted a seminar on Solidarity-based Sustainable Development, which highlighted the concerns of Latin American countries regarding the impacts of capitalism. How can the problems generated by the capitalist system be reversed?

Since 2007, after the last Latin American and Caribbean conference of the Caritas network, the development model debate has intensified. One of the five main themes that will guide the actions of Caritas over the next four years is “Solidarity-based Integral Human Development”, which can be summed up as Solidarity-based Sustainable Development. In this seminar we took another step forward in defining the concept of this theme, via exchanging experiences, theoretical presentations and reflections on Church teaching. We also established some guidelines for implementing this iniative, and some strategies that will enable all of us to have the same vision of development – which is different from a merely economic viewpoint – in line with the social doctrine of the Church.

We have a long and difficult road ahead if we want to change the system. It isn’t an easy task, but this should not discourage us from bearing witness that the situation can be changed with fairer and more human values. Undoubtedly the mass media has great power in boosting selfish and materialistic values, but we believe that the power of the word and the spirit, as well as joining forces, can convince the whole of society that promoting development that is beneficial to everyone and doesn’t harm the environment is possible.

I believe this is already happening. Many voices have spoken, showing that people are fed up with this model and are seeking a new form of development that is closer to human needs and conditions.

CB – How should Solidarity-based Sustainable Development be promoted in Latin America and the Caribbean?

One of the principles emerging from the seminar is joint action by the network in Amazonia and the Mesoamerican Biological Corridor. Several Caritas, together with Caritas Brazil, are involved in events in these biomes.

The first step towards changing the development model entails promoting coordinated events, and joining forces to empower action and have greater impact. The Latin American Caritas network’s presence in Amazonia and the Mesoamerican Corridor – two important biomes that have been seriously affected by capitalist development – is aimed at establishing stronger links in order to take joint action in the countries covered by the two areas.

As well as internally coordinating the network, Caritas Latin America and the Caribbean faces the challenge of making alliances with other religious and non-religious organisations that are also involved in protecting areas in the Amazon and Mesomerican regions and in the integral development of their communities.

Experiences of coordination between social movements and organisations regarding shared territory already exist in terms of constructing an alternative development model, as is the case in Mexico and Panama, where various forums have emerged – such as the Citizen Participation Forum, forums against free trade treaties, forums on mining and forums that discuss access to water – which have gained a lot of ground and at least ensure the raising of social awareness regarding the socio-environmental impacts of development based on the concentration of wealth.

Caritas is carrying out its role of showing communities that another kind of development is possible. Now we wish to find means for advancing our advocacy processes, which is a constant concern, and strengthen them by uniting more social movements and organisations in a network.

CB – Would coordination with other religious and non-religious organisations lead to ecumenical dialogue within the Caritas network?

We have to move forward one step at a time. It’s important to realise that the spirit of God is working in many people, even though they might be unaware of this or are not responding in a religious way as we are. However, they are striving to bring about a more just world.

Therefore, we have to identify who our thoughts and ideas coincide with, how we can act together and what we can do. We believe there are many spaces where the presence of the Church, via Caritas, is appreciated, and where we can also learn from the reflections that Caritas has been making. Our proposal, as I was saying, is to join forces in order to build a more just and equal world.

CB – Does holding the World Social Forum in Amazonia help to define the region as one of Caritas’ priorities?

It’s highly significant that the forum is being held here, especially because we can get in touch with the feelings, sorrows and anxieties of the Amazonian people, as well as their hopes, joys and strength in defending this vital space for the planet, which should be primarily safeguarded by the people who live there.

By being in Amazonia, we can find out how these people live, and about some of the difficulties encountered in this region, such as those experienced by people who despite living on islands have no potable water to drink. We can hear the voices that cry out in this land, and see how the exclusive development model has affected this region. Belém is a city of great contrasts, including prosperous areas and other very poor areas nearby, which reflects the conflicts that capitalist development generates.

In coming to Pará, and knowing about the strength of these people and the natural resources of Amazonia, we can reinforce our awareness of the urgency of implementing a sustainable awareness model that caters to people’s basic needs and allows everyone to be responsible for their own development.

CB – There is an argument that Amazonia is a world biome and therefore should not belong to any country. How do you feel about this opinion?

I believe Amazonia is very important for the whole world and vital for the survival of the global ecosystem. However, the care, stewardship and “ownership” of this biome is in the hands of the people who live there. They should be consulted first on the type of development that is desirable in this region. We are called on to act in Amazonia with deep respect for its original inhabitants, and to oppose the idea that the forest exists to generate wealth and profit as preached by the current capitalist model.

CB – To paraphrase the principal statement of the WSF: Is another world possible?

I believe another world is possible and that it is already becoming reality. This is evidenced by the many voices that have spoken out, many of which are present at this Forum, as well as many others in other places that we do not all know about. Two years ago, when the Forum was held in Kenya, which I had the opportunity to attend, I got to know the struggles of people from Africa and Asia who were also there to take on building a world that is different from the one we live in.

Therefore, it seems to me that another world is indeed coming about. This world is often silenced by the mass media, and doesn’t come across via those channels. However, meetings such as the 2009 WSF allow us to recognise and realise that many things are happening, in different places, which are in line with the values we believe in and different from the current development model.

Affirming that another world is possible is also closely linked to what Jesus offers us through his words, his life and his witness. They invite us to build a world where the Kingdom of God is present, which is none other than a kingdom of justice, solidarity, peace and truth. In this kingdom people are recognised for what they are and not for what they have, and may sit at the table of creation, which was made for everyone. This kingdom is characterised by mercy and inclusion. In this kingdom we can meet as a single family, a human family.



Entrevista

Em passagem pelo Brasil para participar na nona edição do Fórum Social Mundial e para apresentar uma reflexão sobre modelo de desenvolvimento à luz Doutrina Social da Igreja no Seminário Latino-Americano de Desenvolvimento Sustentável Solidário, o padre mexicano Antonio Sandoval, coordenador regional do Secretariado Latino-Americano e Caribenho (SELACC) da rede Cáritas falou à Cáritas Brasileira sobre a construção de uma nova sociedade e os desafios da rede Cáritas no cumprimento dessa missão.

CB – Há muitos nos a Cáritas participa da organização do Fórum Social Mundial. O que esse evento representa para a rede Cáritas?

O Fórum é um espaço de encontrar instituições que têm um pensamento semelhante ao da Cáritas, que acreditam na mudança da cruel realidade em que vivemos. Estar no FSM é uma maneira de testemunhar o acompanhamento que a igreja e a Cáritas se propõem a fazer aos mais pobres, aos excluídos; é uma forma da mostrar à sociedade o que está fazendo para transformar este mundo num mundo de justiça e de paz, através do exercício da solidariedade.

Mas a importância do Fórum Social Mundial para a Cáritas é mesmo o que se aprende, a cada edição, com as pessoas e organizações, religiosas ou não, que também estão lutando pela transformação deste mundo, pela construção de uma sociedade justa como ensina o evangelho.

Além de adquirir conhecimentos, no fórum a presença da Cáritas também oferece as experiência e saberes dessa rede para outros atores sociais. A Cáritas tem buscado fortalecer as lutas dos povos e os processos de construção democrática e o FSM é a expressão de muitas dessas iniciativas.

CB – Em preparação ao FSM, a Cáritas América Latina e Caribe promoveu um seminário sobre Desenvolvimento Sustentável Solidário que evidenciou a preocupação dos países latinos com os impactos do capitalismo. Como é possível reverter os problemas gerados pelo sistema capitalista?

Desde 2007, após o último congresso latino-americano e caribenho da rede Cáritas, o debate sobre o modelo de desenvolvimento tem sido intensificado. A Cáritas definiu como um dos cinco eixos temáticos que nortearão sua atuação na América Latina e Caribe, durante os próximos quatro anos, o “Desenvolvimento Humano Integral Solidário”, que em poucas palavras chamamos de Desenvolvimento Sustentável Solidário.

Com esse seminário demos mais um passo no aprofundamento da concepção sobre o tema, através da troca de experiências, de apresentações teóricas e da reflexão sobre os ensinamentos da igreja. Também traçamos algumas diretrizes para concretizar esse trabalho, algumas estratégias que nos permitirão fazer com que tenhamos todos a mesma visão de desenvolvimento, diferente da puramente economicista, a qual nos convoca a doutrina.

O caminho para mudar o sistema é longo e complicado. Não é uma tarefa fácil, mas nem por isso podemos nos esquivar de testemunhar que essa realidade pode ser transformada com valores mais justos e mais humanos. Com certeza a força dos meios de comunicação, incentivando os valores materiais e individualistas é grande, mas estamos convencidos de que a força da palavra, do espírito, da união de forças pode fazer com que toda a sociedade perceba que é possível promover um desenvolvimento que beneficie a todos e não prejudique o meio ambiente.

Eu creio que isso já vem acontecendo, há muitas expressões que nos permitem verificar que as pessoas estão cansadas deste modelo, que elas buscam uma nova forma de desenvolvimento que esteja mais próxima das necessidades, das condições humanas.

CB – Qual o caminho para a promoção do Desenvolvimento Sustentável Solidário na América Latina e Caribe?

Uma das diretrizes resultantes do seminário é a atuação conjunta da rede na Amazônia e no Corredor Biológico Mesoamericano. São várias as Cáritas que, junto com a do Brasil, estão envolvidas com ações nesses biomas.

O primeiro passo para a mudança do modelo de desenvolvimento é promover ações articuladas, unir esforços para fortalecer a atuação e ter mais impacto. No caso da rede Cáritas latino-americana, a presença na Amazônia e no Corredor Mesoamericano, dois biomas muito importantes e gravemente afetados pelo desenvolvimento capitalista, o que se pretende é estabelecer laços mais fortes de atuação, agir conjuntamente nos países de abrangência das duas áreas.

Além de articular internamente a rede, a Cáritas América Latina e Caribe tem como desafio também aliar-se a outras instituições, religiosas ou não, que também estejam atuando na preservação dos territórios amazônico e mesoamericano e no desenvolvimento integral de suas comunidades.

Já existem experiências de articulação entre movimentos e organizações sociais para territorial conjunta na construção de um modelo alternativo de desenvolvimento, como no caso do México e Panamá, onde têm surgido vários fóruns, recordo agora o Fórum pela Participação Cidadã, os fóruns contra os tratados de livre comércio, fóruns sobre mineração e fóruns que discutem o acesso à água, que têm ganhado muito espaço e garantido ao menos a sensibilização da sociedade sobre os impactos socioambientais do desenvolvimento baseado na concentração de riqueza.

A Cáritas tem cumprindo o seu papel de mostrar às comunidades que outro desenvolvimento e possível. O que queremos agora é encontrar formas de avançar nesses nossos processos de incidência política, sempre tão presentes, e fortalece-los, unindo a rede a mais movimentos e organizações sociais.

CB – O senhor fala em articulação com outras organizações, religiosas ou não. Seria este um diálogo ecumênico na rede Cáritas?

Temos que avançar passo a passo. É importante perceber que o espírito de Deus está atuando em muita gente, ainda que as pessoas não saibam ou não o façam como uma resposta religiosa como nós fazemos, mas elas estão levando a diante esta luta por um mundo mais justo.

Então, temos que identificar com quem temos essas coincidências de pensamentos, ideais, como podemos atuar conjuntamente, o que podemos fazer. Acreditamos que há muitos espaços onde a presença da igreja, através da Cáritas, é apreciada e onde também se pode aprender com as reflexões que a Cáritas vem fazendo. A nossa proposta é, como venho dizendo, unir forças para construir uma sociedade mais justa e igualitária.

CB – A realização do Fórum Social Mundial na Amazônia contribuiu para a definição do território como uma das prioridade para a Cáritas?

É muito significativo que o fórum se realize aqui, especialmente porque podemos entrar em contato com os sentimentos, as tristezas, as angústias e também com as esperanças, a alegria e a força do povo amazônico na defesa desse espaço vital para a Terra, cujo cuidado deve ser entregue a essa gente que nele vive.

Estando na Amazônia, pudemos descobrir como vive esse povo, as dificuldades dessa região, como populações que vivem em ilhas, mas não tem água potável para consumir. Pudemos ouvir as vozes que clamam nessa terra e também ver como esse modelo excludente de desenvolvimento afeta esse território. Na cidade de Belém há grandes contrastes, vi áreas que denotam prosperidade e outras que demonstram muita miséria numa proximidade que reflete os conflitos que desenvolvimento capitalista promove.

Vindo ao Pará, conhecendo de perto a força dessa gente e as riquezas naturais da Amazônia podemos reforçar nossa concepção de que é urgente implementar um modelo de desenvolvimento sustentável que atenda às necessidades básicas dos povos e que permita a cada pessoa ser sujeito do seu próprio crescimento .

CB – Há um discurso de que a Amazônia é um bioma mundial e que, por isso, não deve pertencer a um país. Como o senhor avalia esse modo de pensar?

Creio que a Amazônia é muito importante para todo o mundo, ela é fundamental para a sobrevivência do ecossistema mundial. Mas o cuidado, a custódia, a ‘propriedade’ desse bioma é desses povos que vivem no território. São eles os primeiros a serem chamados para dizer que tipo de desenvolvimento querem para essa região. Nós somos chamados a agir na Amazônia com profundo respeito aos povos originários e fazendo oposição à concepção de que a floresta existe para gerar riqueza, lucro, como prega o modelo capitalista que temos vivido.

CB – Parafraseando a principal afirmação do FSM: um outro mundo é possível?

Eu acredito que outro mundo é possível e acredito que isso já esta se tornando realidade. Uma das coisas que nos permite descobrir isso é que existem tantas expressões, muitas delas presentes neste Fórum, mas tantas outras, em outros locais, que nem todos sabemos. Há dois anos, quando o Fórum foi realizado no Quênia, e eu tive oportunidade de participar, pude conhecer as lutas dos povos da África e da Ásia, que também estavam presentes para tratar da construção de um mundo diferente do que estamos vivendo.

Então, me parece que esse outro mundo está, de fato acontecendo. Um mundo que muitas vezes é silenciado pelos meios de comunicação, que não aparece nesses canais, mas que encontros como o FSM 2009 nos permite reconhecer e dar-nos conta de que há muita coisa, em vários lugares, acontecendo conforme os valores em que acreditamos e divergentes do modelo desenvolvimentista que estamos vivendo.

A expressão de que um outro mundo é possível também está muito ligada ao que Jesus nos ofereceu com suas palavras, sua vida, seu testemunho. Eles nos convidava a construir um mundo onde o reino de Deus estivesse presente e esse reino de Deus não é outra coisa senão um reino de justiça, de solidariedade, de paz, de verdade. Um reino onde as pessoas são reconhecidas pelo que são e não pelo que têm, onde as pessoas podem sentar-se à mesa da criação, que foi feita para todos. Um reino marcado pela misericórdia e pela inclusão. Um reino onde poderemos nos encontrar como uma única família, a família humana.

Leave a comment

Filed under Advocacy, Development, High-Level Meetings and Events, World Social Forum

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s